Palavra do Diretor - 12ª Edição

“Estamos chegando ao final de mais um ano, que termina com indicadores econômicos e sociais um pouco melhores do que 2021, mas que também já nos traz grandes incertezas para 2023.

Em janeiro, iniciaremos o ano com um novo presidente, que já sinalizou que fará grandes mudanças no rumo das políticas econômicas, sociais e ambientais. Entretanto, o presidente Lula iniciará o seu mandato num provável cenário de recessão global, de queda no preço das commodities e de uma maior disputa político-econômica entre as maiores economias do mundo, ou seja, num ambiente muito mais adverso do que o enfrentado por ele entre 2003 e 2010.

No nosso segmento, também estamos vendo uma mudança de curso. Começamos a observar a partir do 3º trimestre um maior balanceamento da oferta e da demanda de químicos, que tem se refletido numa menor alocação e falta de produtos e, também, num movimento de queda de preços. Aliado a isso, os fretes internacionais também começaram a baixar, principalmente os originários da Ásia, reduzindo assim a pressão nos custos de importação. A manutenção deste ambiente mais equilibrado dependerá muito dos desdobramentos da guerra da Ucrânia, das movimentações do preço do petróleo e dos impactos da recessão na Zona do Euro e nos Estados Unidos, mas esperamos iniciar 2023 com custos um pouco mais baixos do que os de 2022 e, também, com uma maior disponibilidade na oferta produtos.

Na Morais de Castro, continuamos investindo em nossa estrutura interna (física, técnica e de pessoal), em construir novas parcerias e no aumento do nosso portfólio de produtos, conforme pode ser observado nesta edição. Continuamos também acreditando na força do nosso povo e do nosso país para superar os desafios que possam surgir nos próximos anos.

Aproveito o momento para desejar a todos os nossos colaboradores e parceiros um excelente fim de ano, boas festas e um novo ano de conquistas e crescimento pessoal, profissional e empresarial.

Boa leitura!”